segunda-feira, 29 de julho de 2019

Governadores do Nordeste se reúnem novamente após divergência com Jair Bolsonaro

Governadores do Nordeste tem se mostrado unidos para
desenvolvimento da região com realização de várias reuniões 
Em meio à tensão com o presidente Jair Bolsonaro (PSL), após fala polêmica dele que chamou os governadores do Nordeste de “paraíbas”, os chefes do Executivo dos nove estados nordestinos, se reúnem, hoje, na Bahia. A pauta oficial é a instalação do Consórcio Nordeste, que prevê parcerias entre os estados em diversas áreas. O encontro, porém, sinaliza um gesto político em relação ao Governo Federal. 

Isso porque a reunião acontece uma semana depois de o presidente Jair Bolsonaro afirmar, em uma conversa informal, com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, durante café com jornalistas, que daqueles “governadores de 'paraíba', o pior é o do Maranhão”.

A fala provocou a reação dos governadores, que assinaram uma carta, cobrando “diálogo” do Governo Federal, “independente de normais diferenças políticas”.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), lamentou, nas redes sociais, a atitude do presidente da República. Camilo Santana (PT) também se manifestou, em sua página do Facebook, e disse que, passadas as eleições, é preciso “governar para todos”. Para piorar o clima de tensão com os governadores do Nordeste, o presidente da República disse depois que não só criticou o governador do Maranhão, como também o da Paraíba, João Azêvedo (PSB), porque, segundo Bolsonaro, “vivem” “esculhambando” eles e se apropriando de obras federais”. 

'Ringue'
O governador da Paraíba subiu o tom. “É uma atitude inaceitável para um presidente da República. Eu não desço a esse nível. Essa é a grande questão. Eu não desço a esse nível de disputa”. 

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro viajou a Bahia, para inaugurar o Aeroporto Glauber Rocha, em uma tentativa de amenizar a tensão, mas não teve muito êxito. O governador da Bahia, Rui Costa (PT), cancelou sua ida à inauguração, sob acusações de que o Governo Federal tornou o evento uma “convenção político-partidária”.

Consórcio 
A situação de Bolsonaro é vista com delicadeza no Nordeste, porque, além de ser uma região governada, historicamente, por políticos ligados a partidos de esquerda, foi a única região em que ele perdeu no segundo turno das eleições, registrando 30,3% dos votos válidos contra 69,7% de Fernando Haddad (PT). 

Não é à toa que os governadores do Nordeste intensificaram reuniões deles e, mais recentemente, criaram o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste, o Consórcio Nordeste, para fortalecer as pautas de interesse da região. A iniciativa deve ser instalada oficialmente, hoje, em reunião dos chefe do Executivo dos nove estados. O governador Camilo Santana (PT) ou a vice, Izolda Cela, devem participar. 

O objetivo do consórcio é firmar parcerias entre os estados nordestinos, para investimentos compartilhados, como a compra de medicamentos e realização de obras. As ações feitas em conjunto poderão ser barateadas. A criação do consórcio foi aprovada nas assembleias legislativas dos nove estados, inclusive, no Ceará, em maio passado. Fonte: Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário