sexta-feira, 29 de junho de 2018

Estado do Ceará tem hoje em torno de 185 mil pessoas quem vivem em área de risco

População na margem do Rio Maranguapinho
sofre com falta de saneamento
O Ceará tem 185.749 pessoas vivendo em áreas de risco de desastres, dos quais 55% estão em Fortaleza, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na capital cearense, 4,2% da população (102.836) corre risco pela proximidade com lixões, falta de saneamento ou por falta de abastecimento de água. O estudo foi divulgado, e os dados são referentes a 2010.

No Ceará, o IBGE monitorou áreas de risco em 39 dos 184 municípios. As cidades escolhidas pelo IBGE são as mais populosas e responsáveis por 4,8 milhões dos 8,4 milhões do total da população cearense. Além de Fortaleza, as cidades com maior população em área de risco no Ceará são Caucaia (16.463) e Sobral (10.494).

Conforme o IBGE, o Ceará possuía 54,7% dos moradores em áreas de risco em 2010. Na Região Nordeste, 34,5% dos moradores em áreas de risco possuíam esgotamento sanitário inadequado. Destacou-se o Estado do Maranhão com o percentual mais alto de 69,9%.

A Bahia, por sua vez, destoa da Grande Região como um todo por ter apresentado somente 11,9% de moradores sem rede de esgotamento sanitário.

Já em relação ao destino de lixo, 8% da população cearense nas cidades pesquisadas vive em situação de risco. No Nordeste, destacaram-se os estados do Maranhão (26,1%) e do Piauí (15,6%). Com informações G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário