domingo, 27 de agosto de 2017

Quixadá: Dnocs pretende contratar arquiteto do Iphan para restauração do Parque do Açude Cedro

Parque do Açude Cedro
O juiz da 23ª Vara Federal, Ricardo José Brito Bastos Aguiar de Arruda, voltou a realizar em Quixadá, Audiência Pública com a diretoria do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs), através de videoconferência, para adoção de providências de restauração e preservação do acervo arquitetônico e natural do Açude Cedro. Além dos representantes do Ministério Público participaram representantes de vários segmentos sociais e moradores do entorno do açude centenário.

Na última Audiência, realizada no dia 10 de maio, o magistrado federal havia estabelecido prazo de 160 dias para o Dnocs apresentar o cronograma do projeto de restauro. O plano foi apresentado, com possibilidade do início dos serviços em 2020, todavia o órgão federal dependerá da contratação do arquiteto Romeu Duarte, ex-superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Ceará para elaboração do projeto.

Audiência com grande participação de pessoas (Foto: Eurismar Jr) 
Na administração municipal anterior o então secretario do Desenvolvimento Econômico e Turístico de Quixadá, Fabiano Barbosa, teve dificuldade para realizar as obras de restauro do armazém e da vila do Açude Cedro, na alameda de acesso a parede do reservatório centenário. O recurso financeiro havia sido captado através de emenda parlamentar, mas retornou aos cofres do governo federal porque a prefeitura não conseguiu em tempo hábil empresa pelo Iphan para realizar o serviço.

A esse respeito, presente na Audiência que contou também com a participação do atual secretário da pasta de Desenvolvimento Econômico e Turismo do Município, Pedro Baquit, o ambientalista Osvaldo Andrade questionou a contratação do arquiteto, apontando que ele foi o responsável pela elaboração dos projetos dos campus da UFC e do IFCE, dentro da área de preservação do Açude Cedro, onde estão situados alguns dos monólitos tombados como patrimônio natural.

Um dos proponentes da Audiência Pública acatada pelo Ministério Público, o jornalista e advogado Wanderley Barbosa, também participou do encontro realizado na sala do magistrado. Como o espaço era pequeno, outros interessados na restauração e preservação do Açude Cedro outros interessados acompanharam no corredor do Fórum, por esse motivo a próxima reunião, em novembro, será realizada no auditório do IFCE. Nela será realizado um amplo debate sobre o projeto a ser apresentado pelo Dnocs, acrescentou Barbosa. Fonte: Blog Diário Sertão Central

Nenhum comentário:

Postar um comentário