quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Professores da Urca e Uece decidem entrar em greve

Os professores da Universidade Estadual do Ceará (Uece) e Universidade Regional do Cariri (Urca) decidiram entrar em greve no início da tarde desta quarta-feira (17). A greve passa a valer imediatamente e engloba os campi da Uece e Urca do Interior e Capital, informou o vice-presidente do Sindicato dos Docentes da Uece (SindUece), José Eudes Baima.

 A decisão foi tomada após assembleia com a presença de 106 professores no Auditório Central do Campus do Itaperi. 71 votaram a favor, 28 contra e 7 se abstiveram de votar. A principal reivindicação dos docentes é a realização de concurso público para professor efetivo das universidades do Estado, promessa que, segundo Baima, havia sido feita na última greve.

Uma nova assembleia deve acontecer na segunda-feira (22) para deliberar sobre a continuidade do movimento. A Universidade Estadual do Ceará afirmou que vai se pronunciar por meio de uma nota oficial que será divulgada nas próximas horas. Os professores da UVA devem se reunir em assembleia na próxima semana para decidir sobre a adesão à greve.

Período Eleitoral
No último dia 16, a Reitoria da Uece publicou uma nota afirmando que os pontos ainda não cumpridos prometidos na pauta de compromissos assumido pelo Governo no término da greve de 2013 dependem de decisão do governador e se encontram vinculados ao período de proibições eleitorais. Em resposta, o SindUece afirmou, em nota, que "há provas rotundas de que as nomeações não se imbuem de qualquer artifício eleitoreiro. Dito isso, não há qualquer ilegalidadenas atitudes sindicais tendentes a pressionar o governo".

Os professores a Uece, Uva e Urca estiveram em greve entre outubro de 2013 e janeiro de 2014. Cid se comprometeu, na época, a atender as principais reivindicações dos docentes caso eles saíssem da greve. As reivindicações eram a realização de concurso para professores efetivos, a regulamentação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV), maiores investimentos nas infraestruturas das universidades e em assistência estudantil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário