sábado, 2 de agosto de 2014

chefe da OMS afirma que ebola está fora de controle

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e os líderes dos países da África Ocidental mais afetados pelo surto de ebola reuniram-se nessa sexta-feira, 1º, em Conacri, capital da Guiné para organizar, pela primeira vez, uma resposta conjunta à crise.

O objetivo do plano de emergência, entre OMS, Guiné-Conacri, Serra Leoa e Libéria, é prevenir e detectar casos suspeitos, aperfeiçoar a vigilância nas fronteiras e reforçar o centro de coordenação sub-regional de epidemias da Organização das Nações Unidas (ONU) na Guiné-Conacri, bem como coordenar o envio de "várias centenas" de trabalhadores humanitários para o local.

Durante a reunião Margaret Chan, chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), disse que o surto de ebola está fora de controle, mas que pode ser contido.

A epidemia que já afetou quatro países africanos, causou após sete meses, 729 mortes: 339 na Guiné-Conacri, 233 em Serra Leoa, 156 na Libéria e um na Nigéria. Os dados são do último balanço da OMS, divulgado no último domingo, 27, e apontam que dos 729 óbitos, 485 eram casos confirmados de ebola. A OMS anunciou apoio financeiro de 75 milhões de euros ao plano e a diretora-geral Margaret Chan justificou "esse aumento dos recursos" pela "amplitude da epidemia".

A Costa do Marfim, embora não tenha registrado nenhum caso da doença, também participou do encontro como membro da União do Rio Mano - bloco formado pelos quatro países. Fonte: O Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário